Petróleo e Gás

Sebrae encerra OTC com a expectativa de gerar R$ 139,6 milhões em negócios para MPEs

Terceiro dia da conferência foi marcado por arena aberta com debates sobre pesquisa, soluções tecnológicas e internacionalização de empresas, no Centro de Convenções SulAmérica, no Centro do Rio.

A atuação do Sebrae durante a OTC Brasil, um dos mais importantes eventos da indústria de petróleo e gás na América Latina, deve movimentar R$ 139,6 milhões na cadeia produtiva das micro e pequenas empresas que atuam no setor nos próximos 12 meses.

Na terça (29), foi realizada uma sessão de negócios, no estande do Sebrae Rio, com 45 MPEs, nove empresas juniores e cinco âncoras, que deve gerar R$ 9,6 milhões de negócios para os próximos 12 meses. 

Já a Rodada de Negócios Sebrae/Onip/Firjan, na quarta (30), reuniu 17 grandes empresas âncoras e 107 fornecedoras de micro e pequeno porte com expectativa de negócios da ordem R$ 130 milhões. No total, foram 220 reuniões, o que confirma o potencial da OTC 2019 para a cadeia produtiva do setor de óleo e gás.

O terceiro e último dia da conferência foi marcado pela Arena de Inovação realizada em parceria pelo Sebrae, Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip‎) e a Firjan.

O incentivo à participação das empresas no ecossistema de pesquisa da cadeia de óleo e gás foi apresentado por José Carlos Tigre, assessor da Superintendência de Desenvolvimento Tecnológico da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Mais 150 instituições atuam com pesquisas e inovações na área, já dentro do novo regulamento, implementado há dois meses pela Agência. “O novo modelo de investimento em P,D&I simplifica as regras de pesquisa, amplia a aplicação das soluções e incentiva a criação de fundos voltados para startups, micro e pequenas empresas”, ressaltou Tigre. Por meio do projeto Conexões, uma parceria entre o Sebrae e a Petrobras, 10 pequenas empresas receberão recursos de pesquisa e inovação.

Representantes da Intel, PhD Soft e Toyo Setal abordaram os desafios tecnológicos do mercado. Entre os pontos comuns mencionados, está a necessidade de engajar pessoas para garantir a transformação digital e a capacidade de se integrar a outras empresas para possibilitar co-criações a partir da inteligência artificial, gerando grandes avanços para o setor. Os impactos ambientais e socioeconômicos do vazamento de petróleo no Nordeste foram comentados pelas empresas Biosolvit, Ambidados e BRA Ecológico – apoiadas pelo Sebrae e que oferecem soluções de controle de acidentes. O debate foi moderado por Renato Regazzi, gerente de Grandes Empreendimentos do Sebrae RJ.

Felipe Costi Santarosa, cônsul em Houston, falou sobre como o Brasil é visto no cenário dos negócios internacionais e a aproximação com o governo norte-americano: “O Brasil está sendo visto como amigo dos negócios, o que gera impacto imediato na atração de investimentos”. Por sua vez, Carlos Padilha, analista de investimentos Oil & Gas da Apex-Brasil, detalhou o processo de internacionalização e apresentou o programa Brazilian Petrolium Partnership. “As empresas brasileiras são muito qualificadas e estão mais abertas a ampliar atuação no mercado internacional”, completou Padilha. Ao final, Maíra Campos, coordenadora de Petróleo e Gás do Sebrae RJ, convocou os participantes para coquetel que encerrou a programação do Sebrae na OTC Brasil.

Sebrae na OTC Brasil

As pequenas empresas Albatech, Biosolvit, Zarpa Serviços, BR2W Soluções, DR1 Imagens e Grattano EPI, EPC, Extintores e Mangueiras tiveram a chance de expor seus produtos e serviços a um público altamente qualificado no estande do Sebrae RJ, durante os três dias da OTC. Enzio Bianchini, engenheiro mecânico da BR2W, se mostrou satisfeito com a participação: “Conseguimos despertar a atenção de muitos prospects, agradecemos a possibilidade oferecida pelo Sebrae”. O contato com novos parceiros, clientes e mesmo fornecedores foi destacado por Rafael Sizenando, gerente comercial da Granatto EPI.

Já no espaço institucional, o Sebrae apresentou oficialmente o Projeto PetroSebrae, portal de inteligência de mercado que está sendo desenvolvido para a cadeia de petróleo e gás. Durante a conferência, o Sebrae recebe sugestões de futuros clientes - empresas de todos os portes e instituições – para a construção da nova plataforma, que será um espaço atualizado e dinâmico sobre o setor, com informações que agregarão valor à tomada de decisão do empresariado e de instituições.

Juliana Ferreira Borges, coordenadora de Energia do Sebrae Nacional, destacou os avanços técnicos durante a OTC Brasil, com sugestões para o PetroSebrae, reuniões de trabalho de projetos em andamento, novos contatos para atuar com grandes empresas em ações de encadeamento produtivo e tecnológico, além da aproximação com parceiros estratégicos para a atuação 2020-2023. “Estivemos ao lado dos grandes players de petróleo e gás. Consideramos esse um momento de validação do caminho que irá atender os pequenos negócios, fortalecendo o relacionamento entre os elos da cadeia produtiva e a nossa rede de inteligência".