Inovação

Faperj e Agerio têm R$ 30 milhões para fomentar inovação

Batizado de "Programa Inovação Rio", o projeto teve seu edital apresentado durante um evento, no auditório do CRAB.

A inovação não está apenas relacionada a ideias disruptivas. Termo cada vez mais recorrente nas conversas sobre empreendedorismo, ela também pode estar ligada ao aperfeiçoamento de um produto ou serviço, como, por exemplo, a melhoria de um processo, para obter um diferencial competitivo. E ainda, ao contrário do que se imagina, não é exclusividade de grandes empresas. Os pequenos negócios têm vez, sim, e é de olho neles que o Sebrae Rio se une a Faperj e AgeRio em um programa que disponibilizará R$ 30 milhões para fomentar iniciativas inovadoras em todo o estado.

Batizado de "Programa Inovação Rio", o projeto teve seu edital apresentado durante um evento nesta quinta (16), no auditório do CRAB. Podem participar micro, pequenas e médias empresas de base científico-tecnológica com propostas de inovação em produto, processo, organizacional ou marketing. Deste grupo está excluído apenas o Microempreendedor Individual (MEI). 

Ao participar de um debate com os empresários na ocasião, o diretor-superintendente do Sebrae Rio, Antonio Alvarenga, falou do grande potencial das MPEs de se desenvolver e alçar voos cada vez mais altos. "Ao trabalhar a gestão e a inovação, no futuro, um pequeno negócio pode se tornar uma empresa unicónio." 

Ele explicou que o Sebrae Rio apoiará os empresários na elaboração do plano de negócios, de acordo com as premissas do edital, e que os 14 escritórios regionais estão prontos para orientar na construção do projeto que deverá ser submetido à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro. 

Ao detalhar os critérios do edital, Guilherme Santos, assessor da Faperj, contou que a demostração científico-tecnológica do projeto é um dos critérios fundamentais para a seleção. "Cada empresa só poderá inscrever um projeto e terá 24 meses para executá-lo", complementa. 

Já Graciela Paveck, gerente de Negócios da Agerio, explica que a inovação não precisa ser obrigatoriamente disruptiva, o que amplia o acesso das MPEs ao edital. "As empresas podem desenvolver projetos para a melhoria de processos, por exemplo", cita. 

Como funciona o edital

O programa está dividido em três faixas. A primeira (A) é voltada para micro, pequenas e médias empresas com receita anual de até R$ 90 milhões e faturamento ininterrupto nos 12 meses anteriores ao edital, lançado em novembro. Nesta categoria, cada empresa poderá obter até R$ 200 mil com subvenção econômica da Faperj (modalidade em que os recursos não precisam ser devolvidos) e precisam apresentar contrapartida de 10%. 

A faixa B está disponível para micro e pequenas empresas com receita anual máxima de 4,8 milhões e faturamento ininterrupto nos 24 meses anteriores ao edital. Serão custeados até R$ 600 mil por projeto, sendo R$ 300 mil da Faperj, com subvenção econômica, e os outros R$ 300 mil da Agerio, financiados com juros da TJLP mais 1% ao ano. 

A faixa C também é destinada para empresas com receita anual de até R$ 90 milhões, que comprovem faturamento ininterrupto nos 24 meses anteriores ao edital. Para este grupo, poderão ser liberados até R$ 3 milhões por empresa, dos quais R$ 1,5 milhão com subvenção econômica da Faperj e R$ 1,5 milhão financiado pela Agerio, com juros de TJLP +1 ao ano, ou TJLP+2% ao ano, dependendo do porte da empresa. 

Com o aumento do interesse das empresas brasileiras em melhorar a competitividade, a expectativa de Sergio Yates, assessor da presidência da Faperj , é de que o edital tenha alta demanda. Por conta disso, acrescenta que existe ainda a possibilidade de a Faperj aumentar o recurso dedicado ao programa. 

As inscrições vão até o dia 28 de fevereiro e podem ser feitas até no link https://sisfaperj.faperj.br/sisfaperj