Exposição

CRAB e Sebrae RN abrem mostra Bordado de Caicó com show de Roberta Sá

Os famosos bordados da região do Seridó, no Rio Grande do Norte, estarão em exposição ao público até março de 2022

A noite de segunda-feira, dia (6/12, reuniu no Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) autoridades e convidados para a inauguração da Mostra Bordado de Caicó, no Rio de Janeiro, que contou ainda com um show especial da cantora potiguar Roberta Sá. Até algumas bordadeiras da região do Seridó (RN), onde o bordado é feito, como Iracema Nogueira, vieram ao Rio especialmente conferir a exposição. Ela falou da importância do bordado para a região: “Muitas mulheres sustentam famílias e pagam as faculdades dos filhos com a renda que esse trabalho proporciona”, disse Iracema.

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, também prestigiou o evento e fez um discurso emocionado: “É o encontro de dois Rios que têm muito em comum - o do Rio Grande do Norte e o de Janeiro. Além da beleza natural e dessa natureza intensa na paisagem, ambos os Rios têm uma população guerreira e vencedora, que podem desfrutar dessa energia”, afirmou.  

Zeca Melo, diretor-superintendente do Sebrae do Rio Grande do Norte, ressaltou a beleza da Mostra no CRAB. “É muito importante trazer para o Rio o trabalho de cerca de 2.700 artesãs, em que a maioria são mulheres, de 12 municípios de uma região nordestina muito importante, a de Seridó, e falando mais especificamente, entre esses dois municípios, podemos destacar dois: Caicó e mais um outro município pequeno, com cerca de 2.500 habitantes, chamado Timbaúba dos Batistas, com 700 bordadeiras”.

O diretor de Desenvolvimento do Sebrae do Rio, Sergio Malta, destacou a parceria do governo do estado com a iniciativa privada para a realização da exposição e comemorou os bons frutos do projeto Ocupações do CRAB, que está trazendo mostras temporárias com o melhor do artesanato dos estados. “É fundamental o incentivo ao trabalho dessas artesãs, que tiram desse trabalho o sustento de suas famílias”, afirmou Sérgio Malta.

Estiveram ainda no CRAB, prestigiando a inauguração da Mostra Bordado de Caicó, o senador do Rio Grande do Norte Jean Paul Prates, o diretor-superintendente do Sebrae Rio, Antonio Alvarenga; o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Rio, Antonio Florencio de Queiroz; o diretor técnico do Sebrae Nacional, Bruno Quick; o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae RN em exercício, Itamar Maciel Júnior; os prefeitos dos municípios de Timbaúba dos Batistas (RN), Ivanildo Albuquerque Filho, e de Carnaúba dos Dantas (RN), Gilson Dantas de Oliveira; a coordenadora do Programa do Artesanato do governo potiguar, Graça Leal; o presidente das Associações de Cooperativas Artesanais do Seridó (CRACAS), Iracema Batista; e a secretária de Cultura do Estado do Rio, Danielle Barros.

Sobre a exposição

Com curadoria do designer Renato Imbroisi, a exposição revela a diversidade e a tradição do Bordado de Caicó, conhecido no Brasil e no mundo por sua beleza, regionalidade, excelente qualidade e acabamento impecável. Com curadoria do designer Renato Imbroisi, a exposição revela a diversidade e a tradição do Bordado de Caicó, conhecido no Brasil e no mundo por sua beleza, regionalidade, excelente qualidade e acabamento impecável. Promovida pelo Sebrae do Rio Grande do Norte, Mostra Bordado de Caicó integra o projeto Ocupações do CRAB, que tem como objetivo trazer mostras temporárias com o artesanato de vários estados.

A exposição permanecerá até o dia 6 de março de 2022 e traz também renovação em criações desenvolvidas nas oficinas dirigidas pelo curador junto com a designer e ilustradora Lui Lo Pumo. Ali, foram criadas novas peças e temáticas, em parceria com as bordadeiras. São temas representativos do universo cultural e ambiental da caatinga, com novos riscos, muitos dos quais feitos pelas próprias bordadeiras, ou por Lui Lo Pumo, inspirados na canção “O Rabo do Jumento”, do cantor e compositor Elino Julião, nascido em Timbaúba dos Batistas, e que foi gravada em parceria com Lenine e é conhecida por todas as artesãs da região.

São mais de 200 peças bordadas, objetos e referências culturais para o visitante da exposição poder vislumbrar o universo do Bordado de Caicó, que vem sendo passado de mãe para filha desde meados do século 19. Sua origem remonta à chegada de famílias vindas da Ilha da Madeira, em Portugal, para o Rio Grande do Norte. Sob influência dessas imigrantes, as mulheres daqui começaram também a fazer esse tipo de bordado, que adquiriu feições locais, sem perder traços de sua origem.

Entre as peças à mostra estão uma saia bordada em 1906 e outros objetos centenários de um acervo familiar que revelam a ancestralidade dessa arte. Também estará exposta uma tela da artista plástica potiguar Ariel Guerra, filha de família caicoense, representando a região, que foi transposta para tecidos bordados.

Produção mantém famílias

Atualmente, centenas de bordadeiras fazem desta prática seu sustento ou colaboram de maneira significativa para a renda familiar, ao mesmo tempo em que se tornam empoderadas e vivenciam a satisfação pessoal de criar e produzir artesanato bonito, valorizado e bem aceito no mercado. A atividade do bordado profissional possibilita manter famílias em regiões e cidades do interior do estado, mesmo em tempos de estiagem, quando os recursos vindos da agricultura se tornam escassos. E também que mães tenham ocupação remunerada enquanto cuidam dos filhos e da casa.

Atento à relevância cultural e econômica desta prática, o Sebrae do Rio Grande do Norte realizou ações que contribuíram para a obtenção do Signo de Indicação de Procedência, concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), e que foi solicitado há alguns anos pelo Comitê Regional das Associações e Cooperativas do Seridó (CRACAS), entidade representativa de artesãs e artesãos do Seridó. O Signo foi concedido em 2020.

Em 2021, o Sebrae também estabeleceu parcerias e realizou ações de capacitação para as artesãs, por meio do projeto em parceria com o Instituto Riachuelo, vinculado ao Grupo Guararapes, com aulas para formação e aperfeiçoamento nos pontos do Bordado de Caicó e aulas de risco.

Região de Caicó

O bordado de Caicó se caracteriza, ainda, por ser produzido em máquinas de costura de pedal. Raramente é feito à mão. Para manter seu trabalho dentro das especificações do chamado Bordado de Caicó, as artesãs só podem utilizar 12 pontos: ponto cheio, richelieu, matiz, costurado, rococó à mão, rococó à máquina, aberto ou bainha, turco, rústico, quebra-agulha/espinho, crivo e granito.

É definido geograficamente por ser praticado em 12 cidades da região do Seridó do Rio Grande do Norte: Caicó, Timbaúba dos Batistas, São Fernando, Serra Negra do Norte, Acari, São João do Sabugi, Jardim do Seridó, Ipueira, Cruzeta, São José do Seridó, Jucurutu e Ouro Branco.

Além das peças de decoração, moda, cama, mesa, banho e enxoval para recém-nascido, a exposição traz novas linhas de produtos, inclusive com apresentação de vídeo do desfile da coleção de moda Bonito pra Chover, realizada este ano. Foi produzido ainda um documentário sobre o Bordado de Caicó pelo Sebrae e que poderá ser assistido na exposição.

No dia 7 de dezembro, a exposição será aberta ao público. Também está programada uma aula demonstrativa da prática deste bordado. Peças bordadas de Caicó serão comercializadas no Espaço Vitrine CRAB.

Serviço

Exposição Bordado de Caicó

12 pontos, tradição, beleza e arte

Data:

Visitação: 7/12/2021 a 6/3/2022

Terça a sábado, das 10h às 17h

Local:

Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB)

Praça Tiradentes, 69, Centro, Rio de Janeiro

Sobre o CRAB

O Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB), criado em março de 2016 no Rio de Janeiro, tem como missão promover o artesanato nacional e contribuir para qualificar a imagem dos produtos feitos à mão no Brasil. Em suas galerias estão ou passaram importantes trabalhos de artesanato, revelando histórias, origens e territórios do país.

Abriga ainda uma coleção permanente de mais de 1.500 itens de todos os tipos, que representam a expressão da cultura popular e da criatividade brasileira. Entre as obras mais significativas estão algumas cerâmicas de Zezinha do Vale de Jequitinhonha (MG), de João Borges (Teresina-PI), João das Alagoas (Capela-AL), Maria Sil (Capela-AL) e as esculturas em madeira de Abelardo dos Santos (Ilha do Ferro-PI). O CRAB também dispõe de midiateca e espaços multiuso, como um auditório de 100 lugares e salas para oficinas e workshops. Os ambientes são destinados à capacitação, formação, especialização, pesquisa e experimentação.

Atualmente, o CRAB tem novo desafio: o de se conectar com o todo o país, para reposicionar e qualificar estrategicamente o artesanato no Brasil e capacitar os agentes da sua cadeia produtiva. Para isso, foi criado em outubro do ano passado um comitê nacional, com oito membros do Sebrae Nacional e dos Sebraes de outros estados, para apoiar o CRAB nessa nova etapa.

Localizado na Praça Tiradentes, no Centro da cidade, lugar de memória urbana e um importante distrito criativo do Rio de Janeiro, o espaço do CRAB possui uma estrutura moderna e sofisticada que convive com o padrão construtivo do século XVIII. Esse complexo arquitetônico está regido pela legislação de proteção aos bens tombados pelo IPHAN, na esfera federal; pelo INEPAC, na estadual; e pelo IRPH, órgão municipal. Os três prédios fazem parte do Corredor Cultural do Rio Antigo, criado para preservar áreas históricas.