Bioeconomia

Bio-Manguinhos participa de programa de desenvolvimento tecnológico do Sebrae Rio

Programa Prointer Bio apoia a construção de modelo de negócios para prestação de serviços por parte de Bio-Manguinhos/Fiocruz

Bio-Manguinhos, unidade técnico-científica da Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, desenvolve, em parceria com o Sebrae Rio, o modelo de gestão de sua nova linha de atuação – a prestação de serviços tecnológicos, que inclui como principal ativo a planta piloto de Bio-Manguinhos, a maior da América Latina e que conta com apoio de financiamento do BNDES e da Finep.  Esta parceria envolve o desenvolvimento e implantação de um desenho organizacional (negócio, marketing, precificação e recursos) que viabiliza a prestação de serviços tecnológicos externos e internos. 

“A incorporação da prestação de serviços tecnológicos como uma nova linha de atuação da Unidade foi consolidada como uma iniciativa do Plano Estratégico de Bio-Manguinhos 2019-2028. O Programa Prointer Bio vem nos apoiando, desde 2016, na discussão estratégica e na elaboração de toda a estruturação desta frente de trabalho, que é um potencial e também um grande desafio institucional, não apenas na Unidade, mas em âmbito de toda a Fiocruz”, afirmou a vice-diretora de Gestão e Mercado de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Priscila Ferraz. 

Neste contexto, o Sebrae contribui em aspectos como modelagem de negócios, posicionamento estratégico e estrutura organizacional economicamente sustentável, entre outras possibilidades. Todas as ações são conduzidas no âmbito do Prointer Bio (Programa do Sebrae de Aceleração de Negócios Internacionais e Desenvolvimento Tecnológico). 

Desde sua criação, o Prointer Bio beneficiou mais de 120 empresas, com 1,6 milhão de dólares em volume de negócios (2016/2017). Entre as empresas participantes, 40% foram internacionalizadas, resultando na captação de investimentos de 9 milhões de reais e crescimento de 79,15% do número de clientes (parcerias e contratos) e 30,49% do índice de competitividade dessas empresas. Entre os países destino das exportações e cooperação estão Áustria, África, Bélgica, Costa Rica, França, El Salvador, Estados Unidos, Noruega, Trindad & Tobago, República Dominicana e Portugal. Também estão em curso ações de encadeamento tecnológico, a partir da demanda de grandes empresas (Open Innovation). 

São parceiros estratégicos do projeto a Fiocruz e outras 5 empresas, dentre nacionais e multinacionais, participando de fóruns de negócios e desenvolvimento tecnológico onde as pequenas empresas atuam sinergicamente com as grandes na busca de soluções, investimentos e oportunidades de negócios. 

“A estratégia adotada para atender a este macro segmento de altíssima complexidade, que é o setor de biotecnologia, com grande concentração de micros e pequenas empresas e longos ciclos de P&D, foi modelar e desenvolver ações que pudessem tirar tecnologias da bancada e levá-las ao mercado”, afirma a analista do Sebrae Rio, Miriam Ferraz. Sob o ponto de vista do empreendedor, Miriam diz que: “É um grande desafio sair da bancada de pesquisa e transformar o conhecimento em um negócio rentável e com escala global. É neste sentido que o programa Prointer Bio atua, desenvolvendo habilidades de empreendedorismo, gestão, comercialização, internacionalização, proteção de ativos intelectuais, acesso ao patrimônio genético, cooperação e desenvolvendo modelos de negócios com escala global”.